Get Adobe Flash player

Informativos



SENALBA/RS
Sindicato dos Empregados em
Entidades Culturais, Recreativas,
de Assistência Social, de Orientação e
Formação Profissional no
Estado do Rio Grande do Sul
Av. Dr. Carlos Barbosa, 608
Bairro Azenha - Porto Alegre/RS
Brasil - CEP 90880-000

ATENÇÃO PARA OS NOVOS NÚMEROS
Secretaria: (51) 3275.3800 
Agend. Médico/Odonto: (51) 3275.3820
Cooperativa: (51) 3275.3826
Fax: (51) 3275.3815

Atendimento das 08:30 às 12:00
e das 13:00 às 17:30
O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.

 

A Diretoria do SENALBA/RS, reunida na manhã desta sexta-feira, 30 de março, decidiu convocar Assembleia Geral da categoria para apreciar a contraproposta do sindicato patronal. A assembleia foi confirmada para o dia 12 de abril, às 19h, na sede do SENALBA/ RS – Av. Dr. Carlos Barbosa, 608; bairro Azenha. O Presidente Antônio Johann afirmou que a contraproposta prevê uma reposição salarial de 100% da inflação dos últimos doze meses, acrescida de 1% de aumento real. “Vamos submeter à apreciação da categoria, para que ela decida sobre esses percentuais”.

 

IPOPESQUISA - Durante a reunião da Diretoria, o Instituto de Pesquisa de Opinião(IPO) apresentou ao resultados do levantamento encomendado pelo SENALBA/RS, para realizar um diagnóstico das demandas da categoria e avaliação dos serviços do sindicato. Este primeiro módulo corresponde ao levantamento quantitativo. Foram realizadas pelo IPO 400 entrevistas junto aos membros da categoria. A segunda etapa, que será aplicada na sequência, prevê um levantamento qualitativo das ações, que será feito com a aplicação da metodologia de Grupos Focais. Johann afirmou que a pesquisa servirá de base para montar um plano de ação, para atender às demandas apontadas.

Conforme dados estatísticos, 49% do território gaúcho enfrenta problemas de desenvolvimento econômico e social em razão do impacto de uma legislação antiquada, ainda do tempo do regime militar que disciplinam atividades nas faixas de fronteira. Atividades agrícolas, minerais e energéticas, além de transporte e integração regional com os países vizinhos ficam penalizadas pela regulamentação da proteção das fronteiras.

FAIXA DE FRONTEIRAPara debater uma mudança neste quadro, o SENALBA/RS participou nos dias 19 e 20 de março, na Câmara Municipal de Uruguaiana, do 4º. Seminário Faixa de Fronteira. A iniciativa da Força Sindical reuniu dirigentes de sindicatos, políticos, empresários e técnicos. Entre as autoridades estavam o Secretário Estadual do Gabinete dos Prefeitos e Assuntos Federativos, Afonso Mota e o Presidente da Força Sindical/RS, Cláudio Janta. Eles debateram medidas legais e programáticas para estimular o desenvolvimento da região. Representaram o SENALBA/RS nesta programação os dirigentes Rubem Léo Hahn e Alberto da Silva Silveira. “Ou modificamos a legislação que regulamenta a utilização do potencial da faixa da fronteira, ou esta grande área ficara relegada a um quadro de subdesenvolvimento”, sentenciou Silveira.

No final do Seminário, foi publicada a Carta de Uruguaiana com uma série de propostas para ativar a economia e o desenvolvimento da faixa de fronteira. Entre os itens, o documento propõe:  Realizar o 1º Seminário sobre a Legislação nas Áreas Tributária, Financeira, Ambiental, de Transporte, e outras, buscando reduzir as assimetrias no Bloco MERCOSUL; Atuar junto aos Parlamentos Municipais, do Estado, da União e do MERCOSUL, ampliando o debate sobre o tema Faixa de Fronteira; Propor ao Congresso Brasileiro e Parlamento do Mercosul a revisão do atual conceito de Faixa de Fronteira, nas suas dimensões restritivas ao investimento, à geração de emprego e renda, sem que isto signifique abrir mão da segurança em nossas fronteiras; Ampliar investimentos em logística de transporte com maior eficiência energética – ferrovia e hidrovia, em especial em linhas internacionais, na Faixa de Fronteira, tendo como primeira experiência o Trem de Turismo do Mercosul (Rivera – Livramento – Cacequi – Uruguaiana - Passo de los Libres); Continuar apoiando o PL 6.316, de 2009, do Dep. Marco Maia, com emenda do Dep. Ibsen Pinheiro, que trata da criação de Free Shops, agregando a criação e implantação de Zonas de Processamento de Exportação.

Dirigentes do SENALBA/RS participaram, nesta segunda-feira, de manifestação contra o processo de desindustrialização no país. A atividade reuniu mais de dois mil trabalhadores, sindicalistas e dirigentes empresariais. A Diretoria do sindicato foi representada pelo Diretor de Patrimônio, Rômulo José Gobbato, e pelo Diretor de Divulgação, Ricardo Romera. O movimento que integra trabalhadores e empresários faz uma defesa da indústria e do emprego.

desindustrializacao 01Conforme o Presidente Nacional da Força Sindical, Paulinho Pereira o movimento fez a primeira atividade aqui na Capital gaúcha e seguirá com mobilizações nas principais capitais do país. A reivindicação é pela defesa da indústria com menor carga tributária e contra o avanço dos produtos estrangeiros que chegam ao país com preços aviltados, promovendo uma concorrência desleal com a produção nacional. Uma das consequências imediatas é a perda de competitividade, redução do uso da capacidade industrial instalada e fechamento de postos de trabalho. Conforme o Presidente da Força Sindical, de cada quatro produtos consumidos no país, um é importado. Só no ano passado a indústria deixou de abrir 500 mil novos empregos, por conta da entrada indiscriminada de produtos estrangeiros. “Estamos nos tornando um canteiro da China e, por isso, precisamos realizar uma discussão e uma negociação com o Governo para estudar as medidas adequadas a serem adotadas”.

desindustrializacao 02Já o Presidente da Associação Brasileira das Indústrias de Máquinas-ABIMAQ, Luiz Albert Neto, disse que o setor atuava muito na exportação, mas esse quadro está se alterando fortemente. Somente nos dois primeiros meses do ano o Brasil importou R$ 6 bilhões em máquinas, que poderiam ser produzidas aqui. No entanto, a importação desses produtos custa mais barato do que produzi-los aqui. “Viemos aqui para dizer ao Governo do Estado que não desejamos medidas de protecionais, mas condições iguais às empresas estrangeiras para concorrer em situação de igualdade”. Em 1998, a indústria de máquinas exportava 35% da produção. Hoje, as vendas externas não chegam a 20%. Ele disse que é impossível pensar num país rico e desenvolvido sem um setor de transformação forte e competitivo. Albert disse que é impossível pensar em produzir com tecnologia, com geração de empregos e com eficiência, com altas taxas de juros, elevada carga tributária e com uma política de câmbio valorizado que conspira contra a exportação do produto brasileiro.

No final da tarde, lideranças do movimento foram recebidas no Palácio Piratini pelo Governador Tarso Genro. Eles entregaram um manifesto com as ideias e propostas do movimento. O Governador disse que é favorável a adoção de medidas para evitar a concorrência desleal, para que a indústria não sofra uma concorrência predatória.

Elton Bozzeto - Rp. 10.417

A situação de câmbio valorizado, juros altos e guerra fiscal interna, favorecendo as importações, foram uma constante nos últimos anos, afetando a atividade industrial. A consequência imediata deste quadro é a redução persistente no número de vagas de emprego. O declínio da indústria coloca o Brasil numa situação vulnerável e perigosa no âmbito da competitividade mundial. Outro agravante é que a redução da atividade industrial brasileira, provoca uma drástica diminuição da capacidade de consumo dos trabalhadores.

largoDiante deste contexto, empresário e trabalhadores estão realizando um GRITO DE ALERTA em defesa da produção e do emprego. Em conjunto com suas entidades representativas realizam na próxima segunda-feira, dia 26 de março uma grande mobilização no Centro da Capital. A concentração inicia às 14h, no Largo Glênio Peres. A caminhada segue até a Praça da Matriz. Uma comissão do movimento será recebida pelo Governador Tarso Genro, para entrega de um manifesto e de uma pauta de reivindicações.

O SENALBA/RS está participando do movimento porque se trata de uma causa de defesa do emprego e da dignidade dos trabalhadores, afirmou o Diretor de Divulgação do Sindicato, Ricardo Romera. O Presidente do SENALBA/RS, Antônio Johann, analisou o contexto. Ele afirmou que “O Brasil precisa construir sua história social e cultural, mas, para isso, deve defender suas indústrias, tecnologia e emprego”.

Elton Bozzeto – Rp 10.417

pautaNo dia 19 de março, os presidentes dos SENALBAS do Rio Grande do Sul receberam do Secretário Executivo do SECRASO, Wilson Moreira, a contraproposta dos empregadores extraída da assembleia geral das entidades realizada no dia 15 de março. Na pauta de reivindicações dos SENALBAS, entregue ao sindicato patronal, a solicitação para reajustamento salarial era de reposição da inflação do período mais 5% de aumento real.

A contraproposta apresentada pelo SECRASO foi de 100% da inflação medida pelo INPC/IBGE, acrescida de 1% de aumento real, manutenção da grande maioria das cláusulas pré-existentes e aperfeiçoamento de outras.

pauta02O Presidente do SENABA/RS, Antônio Johann, informou ao final da reunião, que a contraproposta será submetida à categoria em assembleias gerais, que serão realizadas na primeira quinzena de abril, considerando que a data base é 1º. de abril, a partir da qual deverão vigorar as novas determinações.